Especial Porto Alegre 250 anos – O guaíba e sua relação com o município – FORMAÇÃO E CARACTERÍSTICAS

Especial Porto Alegre 250 anos – O guaíba e sua relação com o município – ABASTECIMENTO E SANEAMENTO
18 de abril de 2022
Supressão e poda vegetal no município
2 de maio de 2022
Show all

Especial Porto Alegre 250 anos – O guaíba e sua relação com o município – FORMAÇÃO E CARACTERÍSTICAS

Atualmente muito lembrado pela vista do pôr do sol a partir dos trechos revitalizados de sua orla, o Guaíba teve e tem papel essencial na formação e desenvolvimento de Porto Alegre. Porém, muito antes de abrigar um dos principais pontos turísticos da capital gaúcha, a região consistia em um vale entre morros que, ao longo de centenas de milhares de anos, passou por transformações em razão de mudanças climáticas em escala global que levaram à sua configuração atual.

Do ponto de vista geológico, o Guaíba começou a ser formado há cerca de 400 mil anos (durante o Período Quaternário ou Neógeno), surgindo devido à primeira transgressão marinha (avanço da linha de costa para dentro do continente por conta de aumento do nível do mar). Essa transgressão marinha inundou toda a planície costeira do Rio Grande do Sul com o avanço do mar cerca de 100 km continente adentro. Transgressões posteriores ocorreram há 325, 120 e 5 mil anos e moldaram a região para suas configurações atuais.

Deixando de lado o debate sobre sua definição como rio ou lago, o Guaíba ocupa uma área aproximada de 496 km² e é formado pelas águas dos rios Jacuí, Sinos, Caí e Gravataí, e de arroios como o Dilúvio, constituindo uma bacia hidrográfica com área de 2.919 km², cerca de 1/3 do território gaúcho.

O Guaíba possui cerca de 50 km de comprimento, do Delta do Rio Jacuí até a conexão com a Laguna dos Patos, largura máxima de 20 km entre as praias de Itapuã e da Faxina e 900 m de largura mínima, entre o Gasômetro e a Ilha da Pintada. Quanto à profundidade, em média é de 2 m, atingindo 12 m na porção central, viabilizando a navegação de embarcações maiores.

Ao todo, são 70 km de orla no município de Porto Alegre, da ponta do Gasômetro à Praia do Lami. Conforme Lei Orgânica de Porto Alegre (Lei n° 0/1990), suas margens são “áreas de preservação permanente – APP”, sendo vetadas atividades que, de qualquer forma, contribuam para descaracterizar ou prejudicar seus atributos e funções essenciais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *