Especial Porto Alegre 250 anos – Cidade, um caleidoscópio de demandas e oportunidades

Grandes Obras, Grandes Responsabilidades.
14 de março de 2022
Especial Porto Alegre 250 anos – Arquitetura, Urbanismo e História
24 de março de 2022
Show all
A cidade é uma invenção do homem. Houve um tempo em que os empreendimentos eram construídos pensando a cidade como um território limpo, uma “folha em branco”. Porto Alegre não foi diferente. Com a evolução da sociedade surgiram regras que passaram a organizar a ocupação das cidades, frequentemente norteadas pela geologia e geografia – morros, lagos, rios – mas uma parte importante e que completa este cenário, era esquecida – o verde e suas interações.
Um olhar mais abrangente surge a partir de 1988 com a promulgação da nossa Constituição Federal, que, em seu artigo 225, passa a tratar o meio ambiente como matéria constitucional. A partir deste momento, o meio ambiente entra na pauta de todos os gestores, públicos e privados, como um item obrigatório na elaboração de políticas públicas, planejamento de empreendimentos e um sem número de atividades que organizam nossa vida em sociedade.
Falar em meio ambiente – neste bem tutelado pela Constituição – não é somente falar em árvores ou animais ou cursos d´água, mas em todo o conjunto natural e artificial (cidade) e também nas pessoas que habitam e transitam entre um e outro. Passamos a considerar a relação entre todos os elementos que compõem estes meios e em como elas interagem, positiva e negativamente.
Instrumentos como a Política Nacional de Meio Ambiente, que aparelha as regras locais e orienta a atuação das Secretarias de Meio Ambiente e Planejamento garantem que os empreendimentos (públicos e privados) instalados na cidade estejam adequados as premissas da sustentabilidade e preservação, qualificando a área urbana e oferecendo um ambiente mais saudável e equilibrado aos seus usuários.

Olhar a cidade sob um prisma multidisciplinar é essencial para corrigirmos os erros do passado e adotarmos estratégias econômica e ambientalmente eficientes no futuro. A utilização de ferramentas como os diagnósticos ambientais, laudos de vegetação, avaliação de qualidade das águas, sondagens de solos e levantamentos de fauna, por exemplo, auxiliam os gestores públicos a limitar e modular os empreendimentos, principalmente aqueles relacionados a construção civil, fazendo com que suas implantações sejam o menos impactante possível e que tragam mais benefícios do que prejuízo ao conjunto urbano.
Pensar o meio ambiente é uma necessidade para a elaboração, proposição e operação de projetos urbanos e a New Engenharia conta com uma equipe pronta para apoiar os mais diversos modelos de empreendimentos, entregando trabalhos de qualidade de forma idônea e profissional.
Viviane Feitosa Simon
Viviane Feitosa Simon
Gerente de Contas - Equipe Ambiental | Eng. Agrônoma | formada em agronomia pela UFRGS | Bacharel em Direito (FMP)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *